28 de fevereiro de 2014

AO SABOR DAS PALAVRAS

Foto de Paola Benevides.
Dos sabores que me sabem a boca, aprecio os que me sangram os lábios, no acre-doce escorreito da saliva. Vários: os de frutas vermelhas. Um prazer em cada gomo estourado aos dentes feito borrado de batom. Empapuçada até as sementes, engulo grão e talo. A não ser quando em solo fértil, à cata de galhos de framboesa, a correr à relva de se ser menina, à revelia da selva, cuspo todo o chão. Que me arda! Haveria de lançar da língua muitos pés de uva, amora, cereja e jabuticaba, sem demora, a namorar o plantio até a colheita, em meditação, dos primeiros ramos aos rumos da flora. Papilas gustativas e pupilas que dilato de predileção.

Um comentário:

A. J. Cardiais disse...

Gostei do seu texto, Paola. Estou levando para postar na Academia Virtual de Escritores Clandestinos (facebook). Beijos