28 de abril de 2008

Floreu


Não sei o que é conhecer-me. Não vejo para dentro.
Não acredito que eu exista por detrás de mim.


Nem sempre sou igual no que digo e escrevo.
Mudo, mas não mudo muito.
A cor das flores não é a mesma ao sol
De, que quando uma nuvem passa
Ou quando entra a noite
E as flores são cor da sombra.

Mas quem olha bem vê que são as mesmas flores.
Por isso quando pareço não concordar comigo,
Reparem bem para mim:
Se estava virado para a direita,
Voltei-me agora para a esquerda,
Mas sou sempre eu, assente sobre os mesmos pés –
O mesmo sempre, graças ao céu e à terra
E aos meus olhos e ouvidos atentos
E à minha clara simplicidade de alma...


O quê? Valho mais que uma flor
Porque ela não sabe que tem cor e eu sei,
Porque ela não sabe que tem perfume e eu sei,
Porque ela não tem consciência de mim e eu tenho consciência dela?
Mas o que tem uma coisa com a outra
Para que seja superior ou inferior a ela?
Sim tenho consciência da planta e ela não a tem de mim.
Mas se a forma da consciência é ter consciência, que há nisso?
A planta, se falasse, podia dizer-me: E o teu perfume?
Podia dizer-me: Tu tens consciência porque ter consciência é uma qualidade humana
E só não tenho uma porque sou flor senão seria homem.
Tenho perfume e tu não tens, porque sou flor...

Mas para que me comparo com uma flor, se eu sou eu
E a flor é a flor?

Ah, não comparemos coisa nenhuma, olhemos.
Deixemos análises, metáforas, símiles.
Comparar uma coisa com outra é esquecer essa coisa.
Nenhuma coisa lembra outra se repararmos para ela.
Cada coisa só lembra o que é
E só é o que nada mais é.
Separa-a de todas as outras o facto de que é ela.
(Tudo é nada sem outra coisa que não é).


ALBERTO CAEIRO

9 de abril de 2008

Call me Lola rocks, I'll Rock you, baby!

Sou um relógio programado para acordar mais tarde. Sem confetes, apenas vespertina, embora tenha nascido em manhã carnavalesca. É sério, cesária, a 16 de fevereiro de 1985. E chovia e chovia, enquanto eu chorava, toda profana em meu enterro do avesso, uma blasfeminina com o sexo exposto à fama: - Bem-vinda à vida, señorina Benevides Paola!



Carrego alguns tiques na fase lunar. Às vezes fico à míngua quando sangro, depois cresço, então me renovo do nada e fico de cara cheia. Desapareço detrás das nuvens de novo. Daí vem meu despertador, que se encaixa bem no punho esquerdo, avisando: canhotismo virou intérprete agora! Em latim, esquerdo é sinistro, sinônimo de sombrio. Em francês, é gauche, desajeitado. Em italiano, mancino é o mesmo que desonesto. No Brasil, canhoto é um dos nomes do demo. E olha que não acho coisa ruim de todo, quem me conhece que me compre bem caro, cumprimenta-me a mão destra e vê quem eu sou na força do apertado!

1 de abril de 2008